Artigo: Biomarcadores associados à gravidade do SARS-CoV-2

Ainda há muito a se entender sobre a resposta imune à infecção por SARS-CoV-2 durante a fase aguda da doença, para que a ciência possa diferenciar casos leves de graves e identificar marcadores que possam apontar a evolução da doença.


Em artigo publicado na Revista Nature, Scientific Reports, pesquisadores da Rede de Pesquisa Clínica e Aplicada em Chikungunya (Replick) apresentam dados de uma avaliação de perfil de resposta imune de amostras do estudo "Estudo multicêntrico da história natural do novo coronavírus SARS-CoV-2 no Brasil (Rebracovid). Foram avaliados 71 biomarcadores de 48 pacientes selecionados usando amostragem não-probabilística, divididos em quatro grupos: negativos (controle), assintomáticos, não-hospitalizados (casos moderados) e hospitalizados (casos graves). Os pesquisadores compararam os níveis de biomarcadores dos quatro grupos e observaram alterações mais significativas nas amostras do grupo hospitalizado, em relação aos demais grupos. De acordo com a publicação, os resultados apresentados ajudam a caracterizar biomarcadores relacionados à angiogênese, fatores de crescimento, doenças cardíacas e produção de citocinas/quimocinas em indivíduos infectados com SARS-CoV-2, oferecendo assinaturas prognósticas e uma base para compreender os fatores biológicos na gravidade da doença. Leia o artigo na íntegra: 'Serum biomarkers associated with SARS-CoV-2 severity'